FALE CONOSCO     |     INTRANET     |      QUEM SOMOS
SIGA O CP       ANUNCIE AQUI

Segunda-feira, 23 / 09 / 2019
RECONHECIMENTO
Governador Marcos Rocha é homenageado por mães

Data da notícia: 2019-09-09 18:40:55
Foto: Assessoria/Divulgação
Secretário Pachá (e), secretária Luana e o governador Marcos Rocha, com os alunos do projeto social Voar

Ao lado da mãe, Auricélia Soares de Abreu, Vitória, 9 anos, terceiro ano escolar, não desviou o olhar do grupo pioneiro de alunos do complexo esportivo do projeto social Voar, entregue ontem, segunda-feira (9), pelo governador Marcos Rocha, na avenida Amazonas, bairro Escola de Polícia, zona leste de Porto Velho. “Eu quero fazer natação”, disse a menina.

“Venho com muito gosto trazer a Glenda, três vezes por semana, e quando não puder, o pai vem com ela”, disse Auricélia. A família mora no bairro Lagoinha. Glenda, 10, faz jiu-jitsu.

O complexo para artes marciais, natação e futebol de campo, foi construído em oito meses e dentro dos 7,5 mil metros quadrados para onde se transferiu a nova base do Núcleo de Operações Aéreas (NOA) da Polícia Militar de Rondônia. Nele, os alunos na faixa etária de 9 a 15 anos de idade também terão noções de disciplina e cidadania.

As obras custaram R$ 2,5 milhões obtidos pela Justiça do Trabalho com a cobrança de multas ambientais. O estado nada gastou, mas idealizou o projeto.

Inicialmente, o projeto Voar dispunha de 215 vagas, mas acrescentou outras 15, somando 230, informou o ex-chefe do NOA e atual superintendente estadual de Orçamento e Gastos Públicos, Carlos Lopes Silva. “Dois anos atrás, já vislumbrávamos a importância desse projeto na vida das crianças; a prática de esportes os afasta da ociosidade”.

Emocionado, ele próprio disse que não falaria, porém, dirigiu-se às crianças narrando um momento de sua vida no Rio de Janeiro, onde participou de semelhante projeto no Maracanã, cuja mensalidade pagava sozinho.

O governador lembrou ainda que a solidariedade familiar permitiu a todos “a divisão do bife com ovo, às vezes, frango, num mexido feito por uma avó”.

“Eu sei de onde eu vim, sou grato a católicos e evangélicos que nos ajudaram quando minha mãe se foi, com rins paralisados, deixando o último pedido: que os maiores tomassem conta da casa”.


Fonte: Assessoria


Compartilhe com seus amigos:
     




www.correiopopular.com.br
é uma publicação pertencente à EMPRESA JORNALÍSTICA CP DE RONDÔNIA LTDA
2016 - Todos os direitos reservados
Contatos: redacao@correiopopular.net - comercial@correiopopular.com.br - cpredacao@uol.com.br
Telefone: 69-3421-6853.