Domingo, 24 / 05 / 2020
JORNAL CORREIO POPULAR DE RONDôNIA - Fone: 69-3421-6853 - E-mail: redacao@correiopopular.com.br


DURANTE A PANDEMIA
Rostos mascarados são a nova cara do Brasil

Data da notícia: 2020-05-19 15:37:11
Foto: Divulgação
As máscaras viraram um novo acessório na vida das pessoas durante a pandemia

O Ministério da Saúde passou a recomendar, no início de abril, o uso de máscaras para diminuir o risco de contaminação pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2). Essas máscaras podem ser de tecido, costuradas em casa, ou as descartáveis. Já as cirúrgicas, em falta nos hospitais, devem ficar restritas a médicos e profissionais de enfermagem. Hoje vamos falar sobre essa nova realidade que aos poucos somos obrigados a nos acostumar, seja nos supermercados, nas farmácias ou nas ruas. As máscaras, anteriormente recomendadas apenas para profissionais de saúde e pessoas já acometidas pelos vírus, passaram a ser recomendadas no Brasil e no mundo para toda a população e os modelos de pano ganharam protagonismo na estratégia, já que as cirúrgicas, com performance melhor, continuam sendo sugeridas para o grupo de atenção especial como os profissionais de saúde.

A infectologista do Hospital São Francisco de Mogi Guaçu, Dra Fabiana Sinisgalli Romanello Campos, falou um pouco sobre o uso correto das máscaras. “Existem tipos diferentes de máscaras, devendo ser utilizadas de acordo com a necessidade de cada um, sendo elas:

- Máscaras N95/PFF2: possui máxima capacidade de proteção e são utilizada por profissionais - médicos, enfermeiros e fisioterapeutas - principalmente em procedimentos respiratórios ou em unidade de terapia intensiva, em que há maior possibilidade de transmissão viral por geração de aerossóis.

- Máscaras cirúrgicas: Deve ser utilizada somente em ambiente hospitalar. É um equipamento de proteção individual descartável que impede a transmissão do vírus por meio de gotículas. Não podem ser reutilizadas.

- Máscaras de tecido: Não podem ser utilizadas em ambiente hospitalar e são recomendadas em situações que são necessárias a saída da residência, materiais recomendados são o algodão, cotton ou TNT. Devem ser confeccionadas com medidas corretas, cobrindo totalmente boca e nariz sem deixar espaços nas laterais. Devem ser bem adaptadas a face para evitar a manipulação, utilizar por poucas horas. Ao retirá-las higienizar as mãos e lavá-las com água e sabão, enxaguar com água corrente, secar bem e passar a ferro, ainda assim não garante 100% de proteção, portanto evitar ambientes fechados e manter dois metros de distância.

PROTEÇÃO
Para evitar a contaminação, em muitos estados, o uso da mascara ao sair de casa virou lei. Também temos que destacar as ações de higiene para diminuir os possíveis casos de contaminação, como “lavar as mãos, evitar espirrar e tossir sem proteger a pessoa que está na sua frente, evitar tocar nos olhos, nariz, boca e evitar tocar pessoas que estejam doentes. Afinal, as máscaras não foram desenvolvidas para que o indivíduo se proteja de outras pessoas, mas para proteger outras pessoas de seus próprios germes. Quando o paciente doente tosse ou espirra, todas essas gotículas são filtradas no interior da máscara, evitando a disseminação de substâncias potencialmente carregadas de vírus.

É por esse mesmo motivo que os cirurgiões utilizam máscaras durante a cirurgia. Do contrário, esses profissionais estariam respirando sobre "feridas abertas", o que aumentaria o risco de contaminações. Seguindo esse mesmo raciocínio, pacientes em uma clínica com sintomas de resfriado ou gripe podem ser solicitados a usarem uma máscara, durante o tempo que aguardam em uma sala de espera, evitando troca de vírus com outras pessoas também doentes.


AMOR AO PRÓXIMO
O mais novo item de primeira necessidade para cada um de nós, está em um pedaço de pano que pode ter um efeito de salvar vidas e passou a ser produzido por gente que viu também uma possibilidade de se reinventar e garantir uma fonte de renda durante a pandemia. Há ainda quem se sente diante da máquina de costura para produzir e doar essas peças a pessoas que não podem comprá-las. Que possamos nos conscientizar da importância do uso das máscaras e de não sair de casa sem ela. Vamos juntos enfrentar esse momento e acreditar que logo tudo isso irá passar e teremos salvado vidas com nosso ato de amor ao próximo.


Fonte: Regiane Lambert


Compartilhe com seus amigos:
 




www.correiopopular.com.br
é uma publicação pertencente à EMPRESA JORNALÍSTICA CP DE RONDÔNIA LTDA
2016 - Todos os direitos reservados
Contatos: redacao@correiopopular.net - comercial@correiopopular.com.br - cpredacao@uol.com.br
Telefone: 69-3421-6853.