] Jornal Correio Popular


Ji-Paraná(RO), 13/04/2021 - 11:44
JORNAL CORREIO POPULAR DE RONDôNIA - Fone: 69-3421-6853 - E-mail: redacao@correiopopular.com.br


FHEMERON
Pessoas que contraíram Covid-19 podem doar sangue após 30 dias

Data da notícia: 2021-02-08 18:11:45
Foto: Divulgação
O resultado dos trabalhos da Fhemeron é satisfatório, chegando a mais de 50% de doadores fidelizados

O cenário pandêmico no estado tem deixado muita gente com dúvidas sobre a doação de sangue, principalmente quanto às pessoas que foram acometidas pela Covid-19, se podem ou não doar sangue. É com esse propósito que o Governo do Estado de Rondônia, por meio da Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Rondônia (Fhemeron), além de estimular pessoas a doarem sangue, também esclarece sobre os cuidados necessários àqueles que já foram contaminados com a doença.

Conforme a gerente de Captação de Doadores da Fhemeron, Maria Luiza Pereira, existe um protocolo de doação a ser seguido, em que o voluntário passa por um processo de triagem, onde responde a um questionário para verificar se está apto a fazer a doação. Tudo isso para garantir a segurança tanto do doador quanto do receptor.

Quanto aos doadores acometidos pela Covid-19, ela informa que é possível fazer a doação de sangue por um período, após o início dos sintomas. “A busca pela informação, por meio de fontes seguras, como a própria página da Fhemeron, dentro do portal do governo é fundamental. E isso facilita a compreensão da população, quanto a esses questionamentos.

No geral, a doação pode ser feita em 30 dias, após o início dos sintomas, estando bem de saúde. Porém, há pessoas que ficam com sequelas da doença. Nesses casos, o tempo é ainda maior, de acordo com a cura”, detalha.

Devido ao número expressivo de casos da Covid-19, muitos doadores reduziram a frequência na Fhemeron. Foi o que ocorreu no início da pandemia, mas a gerente Maria Luiza salienta que os procedimentos realizados na Fundação, são feitos com todos os cuidados de higienização para a segurança dos doadores e dos profissionais atuantes.

Além disso, enfatiza que o reforço desses cuidados também é feito na triagem, antes do voluntário entrar para a sala de doação. “Aqui, temos o zelo pelas vidas tanto de quem vem doar, quanto dos integrantes de nossas equipes. Em um ano, nenhum doador foi contaminado no processo de doação”, enfatizou.


Fonte: Assessoria


Compartilhe com seus amigos:
 




www.correiopopular.com.br
é uma publicação pertencente à EMPRESA JORNALÍSTICA CP DE RONDÔNIA LTDA
2016 - Todos os direitos reservados
Contatos: redacao@correiopopular.net - comercial@correiopopular.com.br - cpredacao@uol.com.br
Telefone: 69-3421-6853.